DEU CERTO! Oficina de Metodologia de Práticas Educativas estimula reflexão sobre promoção da saúde

23 jul

cap 5.3Como práticas educativas podem contribuir para a promoção da saúde? Que metodologias podem ser aplicadas neste contexto? Essas foram as questões norteadoras da Oficina de Metodologia de Práticas Educativas, realizada pela Superintendência de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro na Policlínica Lincoln de Freitas Filho, em Santa Cruz, em junho. Realizada como um desdobramento do Ciclo de Debates sobre Metodologia de Práticas Educativas, o encontro reuniu profissionais de saúde da CAP 5.3 e do nível central da Superintendência de Promoção da Saúde. A proposta, agora, é que equipes de outras CAPs participem deste processo.

Para a superintendente de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Aline Bressan, a iniciativa é estratégica para a qualificação das ações de promoção da saúde nos territórios. “Investir uma manhã para discutir metodologias para práticas educativas vale muito a pena. Dinâmicas como essas fazem a diferença na hora de abordar determinados temas com os usuários das unidades de saúde e nossos profissionais precisam estar preparados para isso. Há momentos, por exemplo, em que a linguagem do teatro é mais eficaz que uma palestra. Da mesma forma, uma roda de conversa pode ser mais adequada que uma sessão individual. Todos esses são recursos importantes, que devem estar a disposição de profissionais e usuários em nossos serviços de saúde”, aponta Aline.

A proposta é que, durante a oficina, os profissionais possam experimentar, refletir e criar metodologias para o desenvolvimento de práticas educativas em saúde. Na CAP 5.3, a programação teve início com a prática de ginástica laboral – dinâmica que além de promover o relaxamento incentiva a interação entre os participantes. Em seguida, uma rodada de apresentações foi oportunidade para os profissionais se conhecerem melhor e iniciarem o debate sobre seus entendimentos acerca dos conceitos de promoção da saúde.

Ao longo da manhã, diversas atividades foram desenvolvidas. Na Dinâmica da Linha Imaginária, a proposta foi proporcionar a possibilidade de escolher um ou outro lado de uma linha imaginária que separava conceitos opostos. A técnica facilitou o debate sobre escolhas, valores e preconceitos.

Em outra atividade, os participantes foram convidados a escrever, em uma tira de papel, um complemento para a frase: “Uma prática educativa precisa de…” Surgiram respostas como “planejamento”, “pessoas”, “estratégias”, “criatividade”, inspiração”, “conhecimento”, “motivação”, “amor”, “escuta”, “disposição”, “comprometimento”, “respeito às diversidades”, “linguagem adequada”, “valorização dos saberes”; dentre outras. A partir dessa experiência, o grupo pôde construir o seu próprio conceito de prática educativa.

Oficina de Postais: planejamento para os territórios

postal-pomba4.jpgA programação também contou com a Oficina dos Postais. Os participantes se organizaram em quatro grupos e cada um dos grupos escolheu um cartão postal da série Colecione Saúde para trabalhar. Além da reflexão sobre o tema proposto pelo postal, cada grupo estruturou um planejamento inicial para abordar a questão escolhida em uma prática educativa em seu território. O resultado mostrou que criatividade e conhecimento são grandes ferramentas para a promoção da saúde.

O primeiro grupo abordou o tema da diversidade religiosa e definiu a linguagem do teatro como a metodologia a ser adotada no território. A proposta é a elaboração de uma esquete sobre o atendimento de dois usuários de religiões diferentes no acolhimento da unidade. O tema da alimentação saudável foi escolhido pelo segundo grupo, que propôs a organização de uma feira saudável, que mostraria para a população os benefícios de diversos alimentos, além de distribuir frutas e legumes doados pelo comércio local.

O terceiro grupo trabalhou a temática da promoção da saúde. Para isso, desenhou uma oficina com o Conselho Gestor de uma  unidade de saúde, em que seriam debatidas questões relativas à cidadania. E o quarto grupo dedicou-se ao tema raça/cor/etnia e elaborou a estruturação de um grupo de adolescentes para debater bullying racial nas escolas.

Para Aline Bressan, as apresentações demonstraram a capacidade de planejamento e criatividade dos profissionais, diante da perspectiva de realização de práticas educativas. “Trabalhar com práticas educativas requer planejamento e organização. É fundamental que as unidades de saúde ofereçam espaço e condições para que os profissionais possam se dedicar a este trabalho”, recomenda a superintendente de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s