DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA

TODOS CONTRA O AEDES AEGYPTI

A cidade do Rio de Janeiro está em estado de alerta. Prevenir as doenças e controlar o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, o Aedes aegypti, é dever de todos. Para isso, é preciso conhecer as principais características do mosquito e estar atento para não deixar água parada e eliminar possíveis criadouros.

 

Importante saber:
  • Grandes reservatórios, como caixas d’água, galões e tonéis são os principais criadouros do mosquito Aedes aegypti.
  •  Precisamos estar atentos também aos pequenos reservatórios (como vasos de plantas, garrafas, bandejas de ar-condicionado e calhas entupidas) e aos espaços coletivos, como depósitos de lixo a céu aberto e poços de elevador.
  • As fêmeas do Aedes aegypti depositam os ovos nas paredes dos criadouros, bem próximo à superfície da água, porém não diretamente sobre o líquido. Os ovos podem permanecer grudados às paredes dos criadouros de forma imperceptível. Por isso, é preciso esfregar os recipientes que não podem ser eliminados com escova ou palha de aço.
  • O ovo do Aedes aegypti mede aproximadamente 0,4 mm de comprimento e é difícil de ser observado. Os ovos adquirem resistência ao ressecamento muito rapidamente, em apenas 15h depois de depositados. Esta resistência é uma grande vantagem para o mosquito, pois permite que os ovos sobrevivam por muitos meses em ambientes secos e sejam transportados a grandes distâncias. Esse aspecto importante do ciclo de vida do mosquito demonstra a necessidade do combate continuado aos criadouros, em todas as estações do ano.
  • Em condições favoráveis, o desenvolvimento do Aedes aegypti de ovo até a forma adulta pode levar um período de 10 dias. Por isso, a eliminação de criadouros deve ser realizada pelo menos uma vez por semana, para que o ciclo de vida do mosquito seja interrompido.
Uma semana tem mais de 10 mil minutos.
Que tal usar apenas 10 para combater o mosquito?

Conheça a campanha 10 Minutos Contra a Dengue
Fonte: Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz)
Estado de alerta contra a dengue

Publicado em 31 de agosto de 2011 no Diário Oficial, o Decreto Nº 34.377 institui estado de alerta contra a dengue na cidade do Rio de Janeiro e define as atribuições da vigilância em saúde e das ações intersetoriais e de promoção da saúde. Entre outras recomendações, a publicação determina:

 

 

  • Os profissionais de saúde no exercício da profissão, bem como os responsáveis por organizações e estabelecimentos públicos e particulares de saúde e ensino, deverão comunicar ao serviço de vigilância de sua referência a ocorrência de casos suspeitos de dengue.
  • Os conselhos de classe da área da saúde deverão disponibilizar, semestralmente, os contatos eletrônicos de todos os profissionais vinculados à entidade, residentes na cidade do Rio de Janeiro, para que a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-RJ) possa enviar material educativo e informar a situação epidemiológica e situações de alerta epidemiológico.
  • A Central de Teleatendimento 1746 receberá denúncias de possíveis focos do mosquito e acompanhará, com prioridade, a resolução dos respectivos casos. O tempo de máximo para resposta das solicitações formuladas por intermédio da Central de Teleatendimento 1746 deverá ser regulamentado por cada pasta.
  • As ações de promoção devem estimular a absorção de conhecimentos e a mudança de atitudes e práticas pela população carioca e incentivar hábitos saudáveis, no campo do combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti.
  • Para garantir o controle das doenças e do mosquito Aedes aegypti, está instituído o ingresso compulsório em imóveis particulares e públicos, nos casos de recusa ou de ausência de pessoa que possa abrir a porta para o Agente de Vigilância em Saúde.
Ouça a música Dengue, tô fora!
segue abaixo Folder Minha Cidade Sem Mosquito, sobre Dengue, Zika e Chikungunya.
 Mais informações e materiais de apoio
  •  Combata a Dengue Página sobre dengue do Ministério da Saúde no Facebook
  • Rio Contra a DengueBaixe cartazes, cartilhas e músicas sobre prevenção da dengue e saiba aonde ir em caso de suspeita de dengue.
  • Rede Dengue – Rede de Ações Integradas de Atenção à Saúde Controle da Dengue da Fiocruz

 

Anúncios

2 Respostas to “DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA”

  1. A VOZ DO SEU BAIRRO.COM 18/03/2013 às 18:12 #

    Obrigada Elos da Saúde, por divulgarem a minha música ( Dengue to fora) em sua página, eu continuo cantando-a entre a criançada que aprende a combater a dengue cantando.
    Curtam esta comunidade:
    http://www.facebook.com/pages/Dengue-t%C3%B4-fora/431739923586935

Trackbacks/Pingbacks

  1. DENGUE | Sou Pires, Letícia Pires ! - 18/03/2013

    […] DENGUE. […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s