Tag Archives: diversidade

“VOCÊ NÃO PRECISA SER NEGRO PARA LUTAR CONTRA O RACISMO”: RAP DA SAÚDE PARTICIPA DA OFICINA SOBRE DIVERSIDADE E RACISMO

30 mar
Roda de conversa do RAP da Saúde e Profissionais

Roda de conversa do RAP da Saúde e profissionais

Os objetivos dessa atividade, foram a troca de experiências e opiniões no que tange o tema Racismo e Diversidade; o combate a estereótipos; a discriminação vivida; e a valorização das diversidades.

Embora no Brasil haja uma forte mistura de raças, a incidência de racismo pode não ser tão evidente para alguns, mas ele não deixa de existir. Em alguns casos, ele ocorre de forma sutil, em que nem é percebido pelas pessoas. Pode acontecer em forma de piadas, xingamentos, ou simplesmente evitar o contato físico com a pessoa. A verdade é que nenhum lugar está protegido do racismo.

“O número de mortes de jovens negros no Brasil é maior do que em regiões em guerra”. Isso é o que diz o secretário especial de políticas de promoção da igualdade racial da Presidência, Ronaldo Barros. O preconceito racial é algo que já é concebido e estigmatizado. Ele está na construção mental do brasileiro. As pessoas operam o racismo antes de qualquer reflexão. Segundo ele, o pensamento racista é irracional e funciona como uma compulsão. Isso faz com que, algumas pessoas, sempre associem o negro a coisas negativas e cria a vontade de que eles sejam excluídos da sociedade. Dá mesma forma como acontece com o gay e o morador da Comunidade.

Nesse sentido, percebemos o quão importante é promovermos uma Oficina que aborde o tema Identidade Étnico-Racial; importância essa que percebemos ao ouvirmos diversos relatos dos próprios integrantes do RAP da Saúde que já sofreram algum tipo de discriminação, ou conhecem alguém que já passou por essa situação.

Isso mostra que o estímulo a reflexão e a troca de experiências acerca do assunto racismo e diversidade ajuda a desconstruir idéias equivocadas que esses jovens venham a ter sobre si mesmo e o outro; trazendo a tona que devemos fortalecer essa Identidade Étnico-Racial e respeitar as diversidades.

Equipe RAP da Saúde

Equipe Elos da Saúde

Anúncios

ORGULHO SUS E A LUTA CONTRA A DISCRIMINAÇÃO

23 mar
Postal da diversidade étnico-racial (frente)

Postal da diversidade étnico-racial (frente) SMS/SPS

O Dia do Orgulho SUS foi criado para marcar o compromisso de cada um para tornar a saúde pública ainda melhor, com comprometimento de todos. O que se deseja saber é “Qual o seu compromisso para melhorar o SUS?”. Pequenas ações, juntas, fazem uma grande diferença no dia a dia de quem trabalha e/ou é usuário do SUS, além de trazer inspiração para outras pessoas.

Neste ano, coincidentemente, este dia também é o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial, no qual instituições e movimentos sociais de todo o mundo organizam ações de combate ao racismo.

O Artigo I da Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial diz:

Discriminação Racial significa qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada na raça, cor, ascendência, origem étnica ou nacional com a finalidade ou o efeito de impedir ou dificultar o reconhecimento e exercício, em bases de igualdade, aos direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou qualquer outra área da vida pública.”

No Brasil, o racismo estrutural* e o institucional** agravam as condições de saúde e de vida de negros e indígenas, que apresentam maior vulnerabilidade aos agravos à saúde e maior dificuldade de acesso à atenção à saúde.

Vamos aproveitar o dia do Orgulho SUS e o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial para refletir e debater sobre nossos compromissos com o SUS e com a luta contra todas as formas de discriminação racial?

Podemos começar a nos observar, para evitar que no dia a dia, muitas vezes sem perceber, reproduzamos atitudes, idéias, estereótipos e valores que vão afetar a auto-estima e desvalorizar as pessoas que são diferentes dos padrões idealizados pela nossa sociedade.

Viva as diferenças! Viva a diversidade!

O ministério da saúde adverte:  Racismo faz mal à saúde!

*Racismo Estrutural – é uma programação social e ideológica a qual todos estão submetidos. As pessoas reproduzem atitudes racistas, consciente ou inconscientemente atitudes que, em certos casos, são inteiramente opostas à sua opinião.

**Racismo Institucional – é  a  incapacidade  coletiva de uma organização em prover  um  serviço apropriado ou profissional às pessoas devido à sua cor, cultura ou origem étnica. Ele pode ser visto ou detectado em processos, atitudes e comportamentos que contribuem para a discriminação através de preconceito não intencional. Ignorância, desatenção e estereótipos racistas que prejudicam minorias étnicas.

BIBLIOTECA: Circulador nº 6

3 mar

Circulador 6:
Protagonismo juvenil: uma política pública para o SUS

Circulador 6Integrar jovens e adolescentes promotores da saúde à Estratégia Saúde da Família (ESF) tem sido uma ação estratégica para aproximar cidadãos ao Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade do Rio de Janeiro. Em seu terceiro ciclo, entre 2012 e 2014, a Rede de Adolescentes e Jovens Promotores da Saúde (RAP da Saúde) atuou em estreita parceira com Centros Municipais de Saúde, Clínicas da Família, Escolas Municipais e as comunidades onde estes equipamentos estão presentes. Apresentamos, nesta revista, as principais conquistas e desafios do trabalho, desenvolvido por meio de uma fértil parceria entre jovens e profissionais .

Conheça o RAP da Saúde e saiba como o projeto se tornou referência na Estratégia Saúde da Família ao promover saúde nas comunidades por meio do protagonismo juvenil

Conheça o RAP da Saúde e saiba como o projeto se tornou referência na Estratégia Saúde da Família ao promover saúde nas comunidades por meio do protagonismo juvenil

Percebemos, na rotina de trabalho, como nossos jovens e adolescentes promotores da saúde vêm contribuindo para a humanização da atenção à saúde. No contato com cada comunidade vemos a potencialidade do grupo para colocar em prática o conselho do psicólogo Carl Jung: “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”.

Um exemplo é a implantação do Cartão Família Carioca, cujo pré-requisito para a obtenção do benefício é a participação de jovens e adolescentes das famílias contempladas em grupos educativos nas unidades de saúde. A dinâmica trouxe à tona a dificuldade que muitos serviços de saúde têm em lidar com esta faixa etária e criou a oportunidade para o RAP mostrar que jovens e adolescentes podem ensinar de uma forma muito especial como promover saúde. Neste processo, o RAP se firmou como um dispositivo de promoção da saúde para a ESF, capaz de ampliar a captação de jovens e adolescentes pelas unidades de saúde. Comemoramos, assim, a consolidação do RAP como uma tecnologia social para a qualificação da Atenção Primária no SUS.

Se em seus dois primeiros ciclos de atuação esta Rede era um projeto de um setor da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-Rio) – a Coordenação de Políticas e Ações Intersetoriais da Superintendência de Promoção da Saúde, vinculada à Subsecretaria de Atenção Primária, Vigilância e Promoção da Saúde – hoje percebemos sua incorporação como uma estratégia de promoção de saúde para a rede de atenção primária. da SMS-Rio.

Mais que conquistas e desafios, a experiência traz como proposta para o ciclo 2014-2016 o compromisso de efetivar a Rede de Adolescentes e Jovens Promotores da Saúde como uma política pública para o SUS, no âmbito da ESF.

Viviane Manso Castello Branco
Coordenadora do RAP da Saúde até 2014

DEU CERTO! Protagonismo Juvenil e valorização da paternidade em Guaratiba

23 set

Jovens e adolescentes do grupo O Tempo Não Pára, iniciativa juvenil apoiada pelo RAP da Saúde e desenvolvida em parceria com a Clínica da Família Agenor de Miranda Araújo Neto, em Guaratiba, escolheram o vídeo “O Pai Está!”, do RAP da Saúde, para trabalhar o tema da paternidade com o grupo de gestantes da unidade de saúde, dia 20 de agosto.

A atividade aconteceu durante o Mês de Valorização da Paternidade, iniciativa da Superintendência de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro em parceria com o Comitê Vida – grupo de trabalho intersetorial que integra profissionais de organizações governamentais e não-governamentais, universidades e demais pessoas e instituições interessadas. A proposta é conscientizar a sociedade sobre a importância da participação dos pais no crescimento e desenvolvimento de seus filhos e desenvolver políticas públicas que contribuam para a valorização da paternidade nos serviços de saúde.

Após a exibição do vídeo, uma roda de conversa proporcionou a troca de ideias e experiências entre os casais, com idades entre 16 e 35 anos. A coordenadora do grupo O Tempo Não Pára, a agente comunitária de saúde Eliane Ramos, conta que o vídeo “O Pai Está!” é um excelente recurso para sensibilizar pais, mães e profissionais de saúde sobre o tema.

“O vídeo mostra que estar presente no cuidado do seu filho desde a gestação é não só um dever, mas também um direito do pai – e que cabe ao serviço de saúde assegurá-lo da melhor maneira possível. A experiência foi riquíssima, principalmente porque conseguimos abordar o tema da paternidade do ponto de vista da juventude, acolhendo adolescentes que serão pais pela primeira vez”, avalia Eliane.

O grupo de gestantes da  Clínica da Família Agenor de Miranda Araújo Neto se reúne quinzenalmente às quartas-feiras, às 15h. A unidade de saúde fica na Estrada do Mato Alto, s/nº, Guaratiba. Mais informações: (21) 3377-4978.